quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Anorexia é a solução?

Calma, não estou pensando nisso! É que tenho uma amiga muito próxima que ficou anoréxica por “N” motivos, e abaixo ela conta um pouco dessa fase.

Mas peraí! O que é mesmo a anorexia?

Para entender melhor, vamos ler a entrevista com a Juliana, minha amiga:

Quantos quilos você tinha quando resolveu fazer dieta?
Eu tinha 77 Kilos com 15 anos.

Você teve acompanhamento médico na dieta?
Não tive nenhum acompanhamento médico, fiz por conta própria através de uma dieta da Internet, a Dieta da USP. 


O que levou você a fazer dieta? Você sofria algum preconceito?
Decidi começar uma dieta devido à pressão dentro de casa e preconceito no ambiente escolar. Quando tomei a atitude de fazer um regime, estava na fase da puberdade e tinha, como toda menina, o sonho de ser admirada pelos garotos da minha idade. Eu gostava muito de um rapaz na época e para mim, o problema de tudo era minha imagem.

Quando você percebeu que a dieta começou a fugir do seu controle e passou a ser doença?
Meu objetivo era ficar com 56 kilos, um peso normal para minha altura, mas minha estrutura óssea é grande e na realidade esse peso é pouco para meu porte.
Quando cheguei a este peso, não conseguia mais comer. Alem dos traumas, tive um problema familiar que mexeu com minha cabeça. Acredito que isso tenha sido o maior motivo para desencadear a anorexia.
Na realidade eu tive duas doenças, a anorexia que é deixar comer com medo de engordar e a bulimia nervosa, que não é a pessoa que provoca o vômito, mas sim o organismo que rejeita o alimento. Mesmo que eu quisesse comer, não conseguia e não tinha controle sobre isso.

Qual era o seu cardápio?
Era composto por ovos, presunto, cenoura, queijo fresco e chuchu. Estes alimentos eram ingeridos de segunda a sexta. 
Apenas aos domingos este cardápio variava para 1 filé de bife com batatas fritas no almoço, no jantar voltava aos ingredientes anteriores.
Fazia apenas 2 refeições ao dia, não tomava café, almoçava e jantava. Isso durante 6 meses.

Quando você estava magra e olhava no espelho, o que vinha na sua cabeça?
Diferente das meninas que tem esta doença, eu me via magra, linda maravilhosa até o momento que eu comecei a passar do limite. Aí me via magra, doente e feia. Tinha absoluta consciência do que estava acontecendo comigo, porém não conseguia controlar meu medo de engordar e meu organismo que não me deixava engolir a comida! Tinha vontade de me bater por ver meus pais chocados, assustados e profundamente tristes por me ver definhar a cada dia.

Quais foram os sintomas que te levaram a perceber que estava com anorexia?
O primeiro foi o medo desesperador de comer e passar por todo preconceito de estar doente. O segundo foi através do diagnóstico. Não conseguia mais engolir a comida, subia uma secreção grossa, transparente. Isso me dava nojo!

Qual foi a maior loucura que você fez enquanto queria ficar magra?
Tomar lacto-purga.
E eu não sentava! Se minhas atividades diárias durassem 24 horas, eu ficava em pé todo esse tempo. Não conseguia sentar, se eu comia alguma coisa e ficava sentada, parada, eu surtava. Era horrível!

Quantos quilos no total você emagreceu?
Comecei o regime com 77, terminei com 56. Mas daí pra frente fiquei doente e cheguei aos 37 quilos. Emagreci no total 40 quilos em 1 ano.

Seus pais e amigos te apoiaram na dieta e na recuperação da anorexia?
Sim, o único que não me apoiou a fazer regime foi meu pai, ele sempre me disse para tirar da minha cabeça que eu estava gorda. Alguns amigos também achavam exagero emagrecer, mas já era um objetivo meu, não ia desistir. 
Quando fiquei doente, foi um sofrimento muito grande para meus pais e amigos, mesmo porque, quando alguém vinha para me dar conselhos eu não aceitava.
Tenho algumas pessoas em especial que me deram força, mesmo brigando ou discutindo com eles, nunca saíram do meu lado: Você, Leonardo, Celeste, Janaina e Ariel.
A estas eu devo muito!

Como você se tratou da doença?
Teve uma época da doença em que tive gangrena nas pernas pois meu fígado já não funcionava mais.
A partir daí, fui encaminhada para um endocrino no Hospital das Clinicas em São Paulo. Este vinha dando golpe em pais desesperados com suas filhas a beira da morte, nos disse que de seis meninas, cinco morriam com esta doença e que eu deveria ser internada com urgência no hospital DELE. A diária era muito cara, fora de nosso orçamento, mas ele disse que eu não iria sobreviver se não fosse internada.
Meu pai levou um choque, e foi então que eu percebi o que eu estava fazendo comigo e com todas as pessoas que me amavam. Quando percebemos o golpe do médico, o denunciamos para o hospital. O tratamento eu fiz com um psiquiatra indicado por uma tia e me tratei durante anos.

Quais foram as consequências da doença?
A perda de um ano da minha Vida. Afastei muitas pessoas que tinha um carinho muito grande e ainda tive início de leucemia. 

Você já tentou outras dietas mais saudáveis? Deu certo?
Depois que recuperei meu peso normal, voltei a comer compulsivamente e engordei muito. Hoje eu faço reeducação alimentar e não dieta e assim estou conseguindo manter um peso bom.

Hoje, depois de ter passado por essa fase, qual seu pensamento em relação a cometer loucuras com a saúde para ficar magra?
Acredito que tudo deve ser encarado como aprendizado. Aprendi a me amar e dar valor as pessoas que me amam e estão sempre ao meu lado. Me enxergar por dentro foi a melhor coisa que aconteceu.
Não faço mais dietas loucas, tenho alguém ao meu lado que me ama pelo que sou e não pelo que tenho.
 
Penso que a mídia é a principal divulgadora deste tipo de doença. Não diretamente, mas a imagem que passa de mulheres com corpos perfeitos, que não comem, que dormem de maquiagem para acordar sem defeitos, impõe aos jovens uma cobrança além da realidade e isso mexe muito com a cabeça das pessoas. Principalmente mulheres.
Porém, as pessoas esquecem que não somos máquinas, somos seres humanos, com sentimentos, defeitos, e acima de tudo, valores e virtudes que não podem estar abaixo do valor da imagem!


O post está grande, mas acho que é um assunto muito bom para ler e pensar, não só no nosso corpo, mas na nossa forma de viver e também nos profissionais que deveriam cuidar de nós. 
Eu acompanhei toda essa trajetória da Ju, ela é uma menina linda, feliz, inteligente e foi muito elogiada quando ficou com o corpo “em forma”, mas passou do limite! Lembro que um dia ela chegou para mim na escola e só disse: Lu, o médicou falou que eu vou morrer! Aquilo foi um choque enorme, fiquei sem reação! Mas o que eu podia fazer por ela? Fora que o cabelo dela começou a cair muito, e por não ter gordura no corpo, ela usava 3 blusas em plena tarde de verão! Lembro um dia que o irmão dela reclamou que estava gordo, ela disse: É João, não vai cair na besteira de fazer igual sua irmã fez. Realmente ela sabia que estava doente, mas não encontrava uma forma de se reerguer. Outro dia que ficou marcado foi em uma reunião de pais na escola. Minha mãe sempre foi a “segunda mãe” das minhas amigas, e ela passou reto pela Juliana. Falei: mãe, você não vai dar oi pra Ju? Quando ela olhou a Juliana, ela não acreditou! Começou a falar tanta coisa, indignada, que quando ela parou pra pensar no que tinha falado, ficou com remorso!
Acho que isso é uma lição de vida. Ser feliz e saudável é um desejo de todos, mas qual o melhor caminho para chegar até esses objetivos? Cometer loucuras com o organismo e ficar com sequelas o resto da vida ou readaptar os hábitos?


5 Comentários:

Às 27 de outubro de 2011 12:59 , Anonymous Anônimo disse...

Muito bom o post Lú. Parabéns pela iniciativa de abordar esse tema que muitas jovens enfrentam no dia-a-dia. Jú, fiquei surpreso em saber o que aconteceu com vc, não sabia dos problemas q passou, mas fico feliz por hj vc estar bem melhor e com a cabeça no lugar. =) Qualquer coisa estamos ai, ok? Bjos as duas! E Lu parabéns novamente pelo blog! muito bom! =) Phelipe Buratto

 
Às 27 de outubro de 2011 19:38 , Anonymous Fabinho disse...

Oi Lu é engraçado com as pessoas reagem ao seus temores neh, conheci a JU acho que antes dela ter 15 anos, sempre linda e maravfilhosa, mas realmente tinha esta obssessão por ser magra. confessoq ue eu tbm ja tentei dietas, milhares delas, mas eu sofro de um mal maior, gosto de comer... Hoje lendo esta historia, sinto orgulho, de mim de vc e principalmente da Ju. Pela coragem de vir aqui nos contar isso e tbm pela força de vontade de vencer e viver. Ju te amo ainda viu e tô facinho pra vc. Parabens as duas pela abordagem do assunto!!! Fabinho

 
Às 4 de março de 2013 17:13 , Anonymous Anônimo disse...

ola... eu queria saber se teria como eu entrar com contato com a Juliana, conversar com ela, trocar ideias... Obrigada.

 
Às 4 de março de 2013 21:09 , Anonymous Anônimo disse...

Luana, eu gostaria muito de entrar em contato com a Juliana, saber um pouco mais dela, sobre como lidar com isso tudo. Você poderia me passar algum contato dela? Ou então passe o meu email pra ela: hilarylestrange@bol.com.br . Agradeço muito. Você é uma grande inspiração!

 
Às 5 de março de 2013 11:31 , Blogger Lua Fernandes disse...

Olá, já passei seu contato para ela. Bjs

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial